segunda-feira, março 11, 2013


VERSO PRAGMÁTICO

Queria fazer um verso pragmático
como o pedreiro que constrói paredes cimentadas
e que esse verso desse guarida e sombra
ao viajante cansado e oprimido
cavalgador das metáforas perdidas
no labirinto da nossa geração.

Que o verso tivesse a cor e a paixão
com que as crianças pintam sonhos abstratos
e as reminiscências de saudade
com que colhemos migalhas de distância
em fotografias envernizadas pelo tempo.

Que fosse docilmente simples e imaginável
ao tentar explicar as coisas mais profundas
concebido num ápice de reflexão espiritual
ou num instante de tédio
e refletido somente no silêncio
em que o sorriso humano revelasse
o sabor degustável das coisas proibidas.

Queria um verso pragmático e sólido
feito da poesia matinal dos passarinhos
fabricado com a substância imaterial
das nossas sensibilidades pós-modernas
quase de todo nocauteadas
e convertido nas fagulhas de esperança
de um paciente em estado terminal.

3 comentários:

Poetisa da Paz disse...

Que poema consistente, enxuto e lindo de se ler@!Que Deus abençoe sua verve!
Grande abraço!
ps: Posso postá-lo em meu blog de divulgação? Aguardo sua permissão!

José María Souza Costa disse...

CONVITE
Passei por aqui lendo, e, em visita ao seu blog.
Eu também tenho um, só que muito simples.
Estou lhe convidando a visitar-me, e, se possível seguirmos juntos por eles, e, com eles. Sempre gostei de escrever, expor as minhas idéias e compartilhar com as pessoas, independente da classe Social, do Credo Religioso, da Opção Sexual, ou, da Etnia.
Para mim, o que vai interessar é o nosso intercâmbio de idéias, e, de pensamentos.
Estou lá, no meu Espaço Simplório, esperando por você.
E, eu, já estou Seguindo o seu blog.
Força, Paz, Amizade e Alegria
Para você, um abraço do Brasil.
www.josemariacosta.com

Rafael Rubens disse...

Agradeço as leituras e as críticas a respeito do poema. Pode postá-lo em seu blog de divulgação com certeza, poetisa da paz! José Maria, visitarei seu blog, será um prazer