domingo, outubro 14, 2012

MEUS POEMAS COMETIDOS


PECADO GENEALÓGICO

Te quereria como no meu sonho
Com a mesma poesia e o mesmo luar
Com o mesmo beijo e a mesma praia
Com o mesmo pecado genealógico.

Te amaria como em meu poema
Com a mesma ardência de sentir mais perto
A mesma volúpia dos olhos nos olhos
A sofreguidão mútua do roçar dos corpos.

Te desejaria como no silêncio
Que tragou a maré dos teus encantos
Entorpecendo o deserto das palavras
Que varreram toda a sensação de culpa.

Te guardaria como diário
Que desenhara a tentação da noite
E fotografara os pensamentos
Que eu te confessaria quando despertasse.

2 comentários:

Fanzine Episódio Cultural disse...

Em breve será realizado o CONCURSO DE POESIAS DA ACADEMIA MACHADENSE DE LETRAS (Machado-MG).

Rafael Rubens disse...

Que bom, ficarei no aguardo. Obrigado!