terça-feira, março 29, 2011

E SE O MUNDO DE FATO ACABASSE EM 21 DE DEZEMBRO DE 2012?

Rafael Rubens

Hoje faltariam exatamente 633 dias para o final dos tempos, caso o mundo decidisse terminar o seu já tão fadado e épico destino junto com o mais temido ciclo do calendário maia. A discussão sobre o fim do mundo sempre povoou a imaginação dos seres humanos, desde os profetas bíblicos, passando por Nostradamus até chegar àquele filmezinho um tanto ruinzote que fez as salas dos cinemas desabarem em reflexões apocalípticas. Eu não quero nem supor o que as pessoas de todo o mundo fariam embebidas na premissa tão lugar-comum de viver cada momento como se fosse o último, caso tivessem mesmo certeza de que o mundo acabaria em 21 de dezembro de 2012...

É cruel imaginar que por exemplo, vários enigmas universais jamais seriam elucidados, tais como: Existe mesmo vida em outro planeta? Ou, eis uma problematização menos atordoante: o que temos hoje em nosso planeta, pode-se chamar de vida? Como o universo pode estar em expansão se é infinito? Quem veio primeiro, o ovo ou a galinha? Lady Gaga é mesmo mulher? E por aí vai...

Eu pensei apenas em algumas coisas que azaradamente não aconteceriam, porque justamente seriam transpassadas pela definitiva e cabalística data:

Aquele primeiro presidente negro de um certo país que (paradoxalmente em nome de um mundo melhor) já presenteou destinos mais negros que o petróleo para outras partes do mundo e aquela primeira presidente mulher daquela outra nação gigante na América do Sul que acreditava tão piamente que de bolsa-família em bolsa-família o seu país alçaria ao status de primeiro mundo, não conseguiriam sequer terminar os seus primeiros mandatos, tão promissores e revolucionários no papel.

O nosso Brasil, tão tropical e tão varonil como sugerem suas mais ufanistas e encomendadas canções, pra variar, não conseguiria jamais sediar uma olimpíada, para frustração geral de uma nação cujo maior percentual absoluto não entenderia a logística política, econômica ou mesmo esportiva do negócio, mas que mesmo assim sonharia com este acontecimento como quem sonha com um final feliz, babaca e politicamente correto de um conto de fadas adaptado para leitores iniciantes.

Não veríamos um deputado ter a candidatura impugnada pela lei da Ficha Limpa, mas assistiríamos passivos a tantos parlamentares corruptos aposentarem-se de consciência limpa e certeza do dever cumprido com direito a uma pensão mensal que um trabalhador de verdade neste país demoraria anos de suor derramado para juntar; não teria Big Brother Brasil 13 na tv (algo culturalmente inadmissível à mentalidade ainda embrionária da massa brasileira); a seleção brasileira não conseguiria a forra de 1950 e não seria campeã do mundo em seu próprio país, e talvez nunca víssemos o Corinthians sendo campeão da Taça Libertadores da América...

Seja como for não entendamos a vida como contagem regressiva, pois isso só a faz perder o encanto e a ansiedade pela próxima vivência. Ademais, não é nada absurdo dizer que a suposta teoria de fim do mundo embasada no calendário maia está obsoletamente equivocada, porque este mundo velho, dadas suas catástrofes e cataclismas que tão comumente e acostumadamente vivenciamos e entendidas suas aberrações contemporâneas e suas desumanidades, já se acabou faz muito tempo.

4 comentários:

silvestre Cantalice disse...

da para se rer ideia de nossas futeis preucupaçoes diárias num mundo que morre todo dia, nao haverá mais um dia e nem questionamentos, somente esperar passar os minutos donosso lugar tão comun.

Fernanda Medeiros disse...

Sempre um prazer te ler, meu caro!
:)

Lucicleide nobelino disse...

Rafael você me surpreende sempre.Sou sua fã.

disse...

Bem dissestes, não devemos entender a vida como contagem regressiva! e se acabar em 2012 azar né? Vai fazer o que? Excelente blog Rafael *_*