sábado, fevereiro 09, 2008

A poética do vídeo (resumo científico )

Poema digital "Nunca", de Antonio Romane (clique na imagem e vislumbre um pouco das suas propriedades digitais)

A poética do vídeo: Blocos online, como o próprio nome sugere, aborda as propriedades e os aspectos desse importantíssimo instrumento semiótico e contemporâneo, observando-se a poesia fortemente presente ali, e como esta se inscreve na máquina semiótica mais dinâmica, integradora e disseminante do século XXI. Para tanto, foi escolhido como corpus de análise o blog Blocos on line, (www.blocosonline.com.br) editora pela poetisa Leila Miccolis, e que é o mais importante, bem como o mais antigo blog de literatura editado no Brasil. A escolha se deve ao fato de Blocos on line conter um número bastante representativo de poetas e escritores contemporâneos, além de reservar espaço para a literatura não feita especificamente para o veículo vídeo, possibilitando assim o estudo tanto das especificidades de textos produzidos para o formato vídeo-internet, quanto adentrar nas mudanças possíveis que o veículo vídeo acarreta em produções que não foram feitas especificamente para ele.

Por outro lado, a riqueza do arquivo Blocos on line nos diz algo sobre os modelos de recepção postos em jogo pelo vídeo, além de permitir descortinar os possíveis do meio em si mesmo. A poética do vídeo parte da constatação de Frederic Jameson de que o vídeo é a semiose objetiva do nosso tempo, de que nele subjazem as lógicas específicas de estruturação das culturas contemporâneas. Não apenas por seu caráter integrador e disseminante, como mencionado acima, mas por ele ter sido capaz de se estabelecer como a dominante cultural de uma nova lógica econômica e social, que tem recebido o nome pouco operacional de pós-modernismo. Além dos estudos de Frederic Jameson, este trabalho baseia-se em outras teorias semióticas e semiológicas relevantes nos estudos literários e lingüísticos, a exemplo de Benjamin (1994), Derrida (1973), Peirce (1995), Eco (2002), dentre outros.Tem este trabalho como corpus de análise o blog “Blocos on line”, que é o mais importante site literário do Brasil, pelo seu grande contingente de poetas e escritores contemporâneos, bem como pelo espaço reservado à literatura não necessariamente específica ao veículo vídeo, possibilitando assim, um estudo comparativo das particularidades dos textos produzidos para o formato vídeo-internet e das produções que não foram feitas especificamente para ele, onde pode-se adentrar e observar as possíveis alterações que o veículo acarreta nas mesmas; ainda no arquivo “Blocos on line” é viável o estudo dos horizontes de recepção, que vem exatamente do material proposto pelo jogo dinâmico do vídeo digital.Estudamos aqui, num âmbito geral, as propriedades do vídeo capazes de transformá-lo na metonímia dos anseios contemporâneos; e num âmbito mais específico, a partir de onde o geral será descortinado, como a poesia se inscreve nessa potente máquina semiótica. A poética do vídeo surgiu com dupla face: de um lado diz respeito ao saber/fazer, às potencialidades do dispositivo vídeo; por outro indica o lugar que a poesia nele ocupa bem como que processos de singularização e problematização ela desencadeia, tanto de si, quanto do novo meio ambiente, ao migrar para o vídeo. O método adotado parte do princípio de que a ação semiótica configurada pelo vídeo digital implica relações no mínimo triádicas, que são sempre como que universais em toda geração de sentido: o componente material, os modos e circulação e os horizontes de consumo.

É plenamente possível concebermos, antes de mais nada, que o veículo vídeo, com toda a sua lógica intersemiótica e o seu circuito de estruturação interna, bem como suas propriedades técnicas e midiológicas, pressupõe novas fronteiras para a poesia e, por extensão, para o texto literário. Agora, o texto poético pode ganhar cores, movimentos e até som, criando-se um circuito de leitura verbi-voco-visual, como queria a Poesia Concreta. E o leitor, inserido nesse novo contexto se depara com um texto poético fluido, dinâmico e interativo, o que afeta e modifica os modelos de recepção postos em jogo no âmbito da interpretação de textos literários. Destarte, A poética do vídeo, como tem feito até o presente momento, tentará observar em profundidade tanto as propriedades supracitadas quanto, por ser um site de literatura, os aspectos e as problematizações que Blocos online suscita, tanto nas concepções do texto literário quanto dos usos do meio-vídeo.


Palavras-chave: Vídeo, Semiótica, Mídia, Poesia contemporânea.

Para saber mais ou acrescentar à discussão acerca da poesia midiática presente na tela entre em contato conosco através do email: rafael.rubens22@gmail.com, ou rafael.varzea@yahoo.com.br .

Nenhum comentário: