domingo, novembro 18, 2007

UM POEMA QUALQUER


Queria uma flor, não uma palavra
Flores são efêmeras
Palavras não são
Se me desses uma flor poderia guardá-la
E ver sua beleza murchar

Mas a palavra fica ecoando
A todo instante me desconcentrando
Queria uma flor para lembrar
E não uma palavra para sangrar

Da próxima vez, vê se me trazes
um lírio do campo
Para eu plantar meu próprio jardim
E embelezar meu pranto
Em um poema qualquer

(Emília Dantas)









Nenhum comentário: